Número total de visualizações de página

domingo, 15 de dezembro de 2013

13 * Estás aí?


Demasiadas vezes sinto que estou prestes a desistir -

e demasiadas vezes regresso, no dia seguinte, mais forte

do que alguma vez imaginei.

Sempre convencida de que não há lugar

mais impossivelmente só e apagado
 
do que o meu coração,

sempre desgastado p'ra lá da borracha,

sempre condenado àquele sorriso ébrio,

àquele baixar de pálpebras esquivo,

àquele som do vento nas palavras que é a tua respiração

na palma do que é a minha:

como pode um vazio saber que é visto?

É vital para um vazio saber que existe, não?

Pode um vazio ser inspirado?

Demasiadas vezes sinto que estou prestes a desistir-

e demasiadas vezes a luz do amanhecer apaga a dureza da noite,

essa que a carrega ao colo no caminho da folha amarrotada

e desbotada, mas que sussurra ao meu ouvido:

nunca é a solo. E insiste, décadas: nunca é a solo.

E é essa ainda a esperança: nunca é a solo. Escuto-te.

E quando a folha não quiser ser preenchida?

Como se mede a inconsciência de um vazio?

Estás aí?

 Conceição Sousa


Sem comentários:

Enviar um comentário