Número total de visualizações de página

sábado, 25 de maio de 2013

leito

Por que me deitaste num leito temperado de sal e sono
e deixaste que as águas ocupassem o espaço do teu abraço?
Agora queres fazer amor com um glaciar à deriva, uma raíz decepada
a hibernar no lago dos moribundos.
O clímax do teu desejo fumega
na carcaça inerte da alma desprovida de nome,
a múmia petrificada no escudo do teu cansaço incógnito,
a seiva que transbordou o corpo
e cobriu de toque o vazio do teu beijo doce.
Quem te marcou
esse querer, suor meu?

 Conceição Sousa

Sem comentários:

Enviar um comentário