Número total de visualizações de página

sábado, 22 de dezembro de 2012

nós, mulheres

De vez em quando, nós, mulheres, apreciamos entregar os nossos corações, bem vermelhinhos, bem esponjosos, bem carregadinhos de sangue, em cima de uma bandeja, e dá-los a saborear a eles, aos que nos cegaram os olhos ( sem que o soubéssemos, claro!), aos que nos sussurraram meias-verdades nos ouvidos habituados à surdez ( estou a ouvir? ui!, estou mesmo a ouvir? que bom, ouço! é que pensei que nunca mais pudesse ouvir!). De vez em quando, nós, mulheres, saímos dos nossos corpos e colocámo-nos, à distância de uma esquina, a observar o suor que escorre, a saliva do deleite que parece querer esticar-se até nós, até ao sorriso do canto que observa aquilo tudo, que anui ao gemido a leveza do eco e permite à pele a cinza do arrepio. De vez em quando, nós, mulheres, deitamo-nos no canapé lânguido do tempo só para adoçar o bico à inteligência e calcular o trajecto a que o outro se dispõe a ir. Mas pensas mesmo que ao orgasmo basta o toque do corpo? Estás plenamente convencido de que as águas e o grito te dizem que és bom? É que, à distância do canto de um sorriso, há uma inteligência de um calculismo calado que te sabe aprimorado na tua esquina, a dar ordens aos fluídos e hirtos do teu estar sólido, para que a tua matemática não te falhe e anote no papel todos os ângulos imaginados.

( Conceição Sousa )

Sem comentários:

Enviar um comentário